segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

“Onde Bento XVI fracassou?”, questiona bispo francês sobre a renúncia do Papa



O anúncio do Papa Bento XVI de que irá renunciar ao cargo máximo da Igreja Católica no fim do mês de fevereiro tem levantado uma série de questionamentos sobre o real motivo por traz dessa atitude.
Além de especulações sobre uma possível crise de fé por parte do Pontífice, e até mesmo de um suposto lobby gay como motivos da renúncia ao cargo, um bispo francês diz acreditar que Bento XVI está renunciando ao cargo porque teria fracassado no âmbito político no que se refere ao seu cargo.

Em um artigo publicado no site da revista Témoignage Chrétien, o bispo emérito de Amiens, na França, Jacques Noyer, apresenta um primeiro balanço do pontificado que chega ao fim, e levanta alguns questionamentos acerca dos reais motivos para a renúncia, dizendo inclusive que “o seu gesto de renúncia se explica pela consciência da inutilidade da sua política pessoal”,
Falando sobre o período de em que Bento XVI esteve na liderança da Igreja Católica, o bispo afirmou que “quando ele foi eleito papa, não lhe deixaram escolha: ele devia continuar a obra do seu antecessor e se esforçou para encontrar o seu estilo próprio. Ao contrário, hoje, ele pede para que se tentem outras coisas. Podemos esperar que uma figura nova defina uma estratégia nova”.
Noyer cita como principais motivos para a renúncia os recentes escândalos envolvendo as finanças do Vaticano, e o vazamento de informações sigilosas da instituição, como cartas confidenciais do próprio Papa. O artigo cita ainda a pedofilia, onde o Papa falhou em resolver o problema internamento, tendo que “pedir que os bispos entregassem os criminosos às autoridades locais”.
- Seus antecessores haviam perdido os Estados pontifícios, tiveram que aceitar a separação da Igreja dos Estados laicos. A ele, coube renunciar ao mito da Sociedade Perfeita, isto é, de uma Igreja que escapa do poder das nações onde está implantada. – afirmou o bispo.
Para Jacques Noyer, os inúmeros problemas enfrentaram por Bento XVI durante o papado teriam feito com que ele fracassasse constantemente e, reconhecendo esse fracasso, renunciasse ao cargo. Porém, o bispo afirma que tal reconhecimento é uma grande virtude e que a atitude do Papa em reconhecer que outra pessoa fará um melhor trabalho é um ato de esperança.
- Ninguém pensa hoje em repreendê-lo por ter feito o que ele considerou bom fazer. Só se pode admirar que ele tenha ousado abrir a porta às iniciativas de um desconhecido que o Espírito Santo e os cardeais do mundo inteiro já estão nos preparando. – conclui o bispo.
Leia ao texto na íntegra:
Certamente, há o corpo que não responde mais, o cansaço que paralisa, a velhice que ameaça… Mas me parece que não fazer injúrias contra Bento XVI dar um espaço ao sentimento de fracasso pessoal que ele pode ter sentido. Mesmo sem ser do seu círculo mais próximo, posso imaginar que o seu gesto de renúncia se explica, ao menos em parte, pela consciência da inutilidade da sua política pessoal.
Por exemplo, sabemos que, depois do início do seu pontificado, ele quis reconciliar a nebulosa tradicionalista, cujo afastamento lhe era penoso. Ele multiplicou as iniciativas. Fez concessões. Ofereceu privilégios a quem voltava ao rebanho. Ultimamente ainda, relançou o diálogo que parecia em um impasse. E nada!
Deve ter sido difícil de se conviver com essa impressão de ter entrado em uma negociação impossível. Ele cedeu em algumas posições e encorajou o adversário. Ele já deu muito e deve dar ainda mais. No fim, deveria dar tudo e renunciar ao Concílio. Como sair desse impasse?
Ele se sentiu no dever de esclarecer os obscuros tráficos das finanças vaticanas. Encarregou homens de confiança para modificar os hábitos e obter a transparência necessária. A resistência dos homens do segredo foi tão grande que ele não obteve nada. As intrigas palacianas chegaram até os seus aposentos privados. Sozinho e impotente, ele não podia evitar que os bancos internacionais se recusassem a trabalhar em confiança com o Vaticano e o tratassem como um obscuro refúgio de fraudadores. João Paulo II havia renunciado a reformar a Cúria. Bento XVI, nessa tentativa, encontrou um osso duro demais para roer.
Ele corajosamente quis enfrentar a chaga há muito tempo escondida que é a pedofilia . Ele acreditou, fazendo que tudo remontasse a Roma, que podia resolver a questão dentro da Igreja, como cabe a uma “sociedade perfeita”. Infelizmente, ele logo constatou que era justamente esse princípio que causava escândalo. Ele foi obrigado a renunciar a ele e teve que pedir que os bispos entregassem os criminosos às autoridades locais.
Seus antecessores haviam perdido os Estados pontifícios, tiveram que aceitar a separação da Igreja dos Estados laicos. A ele, coube renunciar ao mito da Sociedade Perfeita, isto é, de uma Igreja que escapa do poder das nações onde está implantada.
Também se pode imaginar a humilhação que ele deve ter sentido quando certas frases incautas como intelectual provocaram agitações tão trágicas quanto as reações dos povos muçulmanos às declarações de Regensburg: o professor universitário havia esquecido que era papa! E ei-lo forçado a ir rezar na Mesquita Azul, em Istambul, seguramente mais distante do que imaginava.
Ele teve que entrar na dinâmica do movimento ecumênico, nas boas relações com o judaísmo, nas orações de Assis. Sentiu-se prudente, hesitante. Sofreu os acontecimentos. Ele não os dirigia mais. Quanto um passo podia parecer como uma vitória, ele o viveu como uma derrota.
É mais difícil imaginar o que ele sentiu na defesa de uma doutrina eterna jogada no turbilhão da modernidade. Em tal combate, todo sucesso é provisório, e inúmeros são os fracassos. Ele teve que defender o dogma contra as críticas do espírito moderno. Teve que defender a moral natural dentro de uma evolução dos costumes sem precedentes. Teve que defender tradições antigas que se tornaram obsoletas aos olhos das pessoas de hoje.
Um combatente como João Paulo II sentia prazer em guerrear e nunca se declarava derrotado. A fineza da inteligência de Bento XVI, nessas circunstâncias, é uma fraqueza. As objeções dos adversários, sem dúvida, lhe atingem mais do que outros militantes blindados de certezas. A fé que o habita não suprime o peso da Razão.
Coirmãos bispos me diziam que sofrimento haviam lido no seu rosto quando haviam evocado diante dele alguns impasses pastorais a que certas regras canônicas os constrangiam. Com a cabeça entre as mãos, ele sofria por não poder dar respostas. Cabe a vocês, in loco – lhes dizia –, encontrar um caminho pelo qual a observância da lei não impeça o anúncio do evangelho.
Os bispos ficaram tocados por um papa tão frágil quanto eles diante das contradições da sua pastoral. Quem sabe em quais insônias se terá prolongado, na pessoa do papa, essa necessidade de coerência?
Esses fracassos poderiam ter levado algumas almas menos santas ao desencorajamento total, a uma passividade resignada. Bento XVI viu neles a oportunidade para um sobressalto de esperança: reconheceu o seu fracasso. Ele sabe que está velho demais para recomeçar de outro jeito. Ele dá lugar a algum outro. Se estivesse certo dos combates travados, teria preparado um sucessor. Ele sente, ao contrário, a meu ver, no segredo do seu coração, que um papa novo deverá proceder de modo diferente.
Quando ele foi eleito papa, não lhe deixaram escolha: ele devia continuar a obra do seu antecessor e se esforçou para encontrar o seu estilo próprio. Ao contrário, hoje, ele pede para que se tentem outras coisas.
Podemos esperar que uma figura nova defina uma estratégia nova. Podemos esperar um papa que tenha qualidades diferentes. Acima de tudo, podemos esperar um papa que faça circular a palavra naquele grande corpo que é a Igreja e que, para isso, descentralize as decisões, que dê confiança ao Povo de Deus, em vez de ser o seu Guardião, que tente o novo onde o antigo está morto.
Essa humildade certamente é um ato de esperança: um outro fará melhor do que eu, proclama ele. Eu rezo para que ele não seja esmagado por aquilo que ele chama de seus defeitos. A esperança não o abandonará.
Ninguém pensa hoje em repreendê-lo por ter feito o que ele considerou bom fazer. Só se pode admirar que ele tenha ousado abrir a porta às iniciativas de um desconhecido que o Espírito Santo e os cardeais do mundo inteiro já estão nos preparando.
Por Dan Martins, para o Gospel+
Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/onde-bento-xvi-fracassou-questiona-bispo-frances-sobre-renuncia-50245.html

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Bem-vindo ao OS REMIDOS NO SENHOR: Um blog para quem não é manipulado!

Os artigos são livre expressão do seus autores, muitos só postamos a título de informação para conhecimento e não refletem necessariamente as posições adotadas pelo OS REMIDOS NO SENHOR. Nosso propósito, no entanto, é contribuir e incentivar a livre reflexão do nosso público alvo: pastores, líderes, e cristãos em geral que exercem seu papel no Reino de Deus.

Comente, questione, critique, aconselhe, tire dúvidas.

Esclarecemos que, como um site evangélico, não somos neutros em relação às questões aqui levantadas. Portanto, reservamo-nos o direito de bloquear ou excluir comentários segundo critérios próprios. Não sou e nem desejo ser mestre de ninguém, não procuro discípulos, nem admiradores, nem seguidores. Procuro apenas leitores sinceros e amadurecidos para questionar, de maneira sóbria e crítica, as crenças e os paradigmas hegemônicos e misteriosos das escrituras sagradas.

Comentários de "anônimos" não serão necessariamente postados. Procure sempre colocar seu nome no final de seus comentários (caso não tenha uma conta Google com o seu nome) para que seja garantido o seu direito democrático neste blog. Lembre-se: você é responsável direto pelo que escreve.

Mas difamações, ataques pessoais, trollagens, xingamentos, atitudes de intolerância, assim como comentários à serviço de militâncias políticas e religiosas não serão aceitos!

Se você não é um desses, esqueça este meu comentário porque a mensagem não é para você,



Whos

Você Pode Gostar Também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Minha lista de blogs

- See more at: http://www.ecleticus.com/2011/10/slide-que-funciona-automatico-no.html#sthash.w0HvNCS1.dpuf