segunda-feira, 30 de julho de 2012

A influência da igreja na sociedade e a estratégia evangelística



Precisamos mudar a estratégia evangelística. Precisamos aprender com Jesus.

Durante anos aprendemos que a missão da igreja e do crente é ganhar almas pra Jesus. Afinal, Jesus veio para salvar o que se havia perdido (Lucas 19.10).

E a estratégia que muitas igrejas usam quando o assunto é evangelismo é promover eventos evangelísticos, geralmente “louvorzões gospel”, ações sociais (que poderiam ser ampliadas), ou simplesmente, sair pelas ruas distribuindo folhetos e falando do Amor de Jesus aos passantes.

Tal estratégia funciona, mas ainda é deficiente. Demanda tempo e recursos o que, muitas vezes, não dispomos.

Quando temos uma missão/projeto, para aplicá-lo, traçamos estratégias e utilizamos métodos para alcançar resultados.

O cenário
Agora, sejamos sinceros: analisando os resultados dos nossos esforços em ganhar almas, será que nossas estratégias e métodos têm sido eficientes?

Se você disser que sim, respeito sua opinião, mas embora o IBGE tenha divulgado recentemente que o número de evangélicos tem crescido absurdamente e que a tendência é que até 2020 esse número chegue a 50% da população brasileira, crescimento numérico não é sinônimo de crescimento qualitativo. Exemplo disso é que nunca as igrejas estiveram tão cheias, mas tão pouco influentes socialmente. Nunca se ouviu falar de tantas escândalos no meio evangélico como hoje, logo, crescimento quantitativo nem sempre significa influência social.

E, se temos que imitar Jesus, temos que admitir que temos falhado! Jesus não só transformou e influenciou a sociedade na qual estava inserido, como dividiu a história da humanidade e seus feitos, sua vida, suas palavras têm voz até hoje. E por quê? Porque Jesus tinha credibilidade, algo que o Evangelho no Brasil vem perdendo. E por que Jesus tinha credibilidade? Porque liderava pelo exemplo.

A vida de Jesus não era só discursiva, era de prática. E enquanto os crentes do Brasil não pararem de viver essa espiritualidade ignorante, não vai adiantar crescermos em número. Conversão pressupõe mudança de vida, de postura, de comportamento, e não de religião. Jesus não era religioso!

Agora, se sua resposta foi não, precisamos pensar. Onde temos errado? Vamos à Palavra!

Mateus 9

10. E aconteceu que, estando ele em casa sentado à mesa, chegaram muitos publicanos e pecadores, e sentaram-se juntamente com Jesus e seus discípulos.

11. E os fariseus, vendo isto, disseram aos seus discípulos: Por que come o vosso Mestre com os publicanos e pecadores?

12. Jesus, porém, ouvindo, disse-lhes: Não necessitam de médico os sãos, mas, sim, os doentes.

13. Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento.

Passamos muito tempo tentando ganhar a alma da pessoa pra Jesus. Penso que devemos ganhar a pessoa da alma para nós.

Precisamos cativá-la. Conquistar seu respeito e confiança. E depois de ganhá-la para nós, ganhá-la pra Jesus será mais fácil. É mais fácil evangelizar um amigo do que um estranho. Precisamos fazer novas amizades. Abrir o leque de nossas relações. Estar separado do mundo não no sentido geográfico, relacional, mas dos princípios e valores do mundo.

Mas o que acontece hoje? O crente se dissocializou. Não anda com quem é “do mundo” (como se existisse algum E.T.). Não joga bola com quem é “do mundo”. Não vai ao rodízio de pizza com os amigos “do mundo”. Separou-se geograficamente. Tornou-se alguém chato, antipático, repelente.

Ninguém gosta de se sentir desconfortável diante de alguém. Muito menos pressionado a ouvir aquilo que não quer.

Nós certamente não gostaríamos que um budista, espírita, muçulmano, judeu pregasse pra nós o tempo todo, tentando nos converter à sua religião. Então por que fazermos o mesmo?
Não estou dizendo que não devemos pregar o evangelho. Aliás, pregar o evangelho é a proposta do post, só que com os métodos de Jesus. Quem vive Jesus não precisa falar o tempo todo.
O Evangelho segundo Jesus.
Paulo disse que somos uma carta, e se de fato vivemos Jesus, eles lêem. Precisamos respeitar o espaço do outro. O mesmo direito que temos de não querermos ser “evangelizados pelo budismo”, por exemplo, eles também têm. Mais do que espiritual é uma questão de bom senso, de respeito.

Jesus era sensato. Não era invasivo. Sabia o quê e quando falar. Jesus era simples. Precisamos imitá-lo:
  • Quando esteve diante de uma prostituta, não perdeu tempo dando lição de moral ou se comportando “com santidade” de maneira a expor sua vida pecaminosa. Jesus não era contaminado pela roupagem social. Ele via além da aparência. Ele enxergava o ser humano por trás do rótulo.
  • Quando com fome, comia na casa de pecadores. Jesus se relacionava mais com os ditos “do mundo” que com os religiosos. (Mt. 9. 10-13)
  • Quando estava em Jericó não se hospedou num hotel 5 estrelas, não quis dormir na casa de nenhum sumo sacerdote. Jesus foi dormir na casa de alguém excluído da sociedade. Jesus se hospedou na casa de Zaqueu, um político corrupto.
Jesus foi um verdadeiro mestre do relacionamento. Durante toda sua vida e ministério, se preocupava em amar e demonstrar misericórdia aos homens. Agora, se olharmos pra igreja evangélica, principalmente no Brasil, vemos um povo que está sempre pronto a julgar e tardio em se compadecer.

Precisamos entender que o objetivo do evangelismo não é só conduzir a alma da pessoa ao céu. Mas é proporcionar à pessoa, pela Palavra, um modus vivendi digno, uma vida abundante. (João 10.10)

Porque o céu é garantia para aqueles que confessaram e aceitaram Jesus como único e suficiente Salvador. Mas enquanto a realidade do céu não chega, temos a realidade do Rio de Janeiro pra viver e não dá mais para fecharmos os olhos diante do caos social que temos vivido.

O que vejo com frequência são igrejas deformando pessoas, ou melhor, formando pessoas alienadas. Porque usam a Palavra somente para pregar céu e inferno, de modo que, os crentes sabem muito mais sobre fatos acontecidos há milhares de anos do que o que acontece hoje à sua volta. Estou exagerando? Acho que não.

Se as igrejas preparassem os crentes não só para as batalhas espirituais e falassem um pouco mais da sociedade atual, ao invés de massas de gente em vigílias e “showzinhos gospel” pelo Brasil a fora, veríamos a igreja assumir um papel de relevância social considerável e pastores e crentes voltariam a ter credibilidade diante de Deus e dos homens.

Porque se o Evangelho alcançou nossas vidas tendo começado somente com doze homens, imagina o que não alcançaria, enquanto influência social, se um quarto dos crentes do Brasil tivessem a metade da qualidade deles?

Penso que o segredo é ser discípulo de Cristo e não um mero frequentador de igreja, membro de uma instituição dita evangélica.
  • O discipulado precisa ser realidade na vida do evangelista.
  • O mundo não precisa ouvir uma fé discursiva, teórica.
  • O mundo precisa ver a fé que age; a fé que trabalha e, pelo trabalho, impacta a sociedade.
Enquanto não alcançarmos esse entendimento, o crescimento quantitativo continuará sendo proporcional aos escândalos que desmoralizam e descredibilizam o evangelho.

A paz!

Fonte: Ichtusgate

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Bem-vindo ao OS REMIDOS NO SENHOR: Um blog para quem não é manipulado!

Os artigos são livre expressão do seus autores, muitos só postamos a título de informação para conhecimento e não refletem necessariamente as posições adotadas pelo OS REMIDOS NO SENHOR. Nosso propósito, no entanto, é contribuir e incentivar a livre reflexão do nosso público alvo: pastores, líderes, e cristãos em geral que exercem seu papel no Reino de Deus.

Comente, questione, critique, aconselhe, tire dúvidas.

Esclarecemos que, como um site evangélico, não somos neutros em relação às questões aqui levantadas. Portanto, reservamo-nos o direito de bloquear ou excluir comentários segundo critérios próprios. Não sou e nem desejo ser mestre de ninguém, não procuro discípulos, nem admiradores, nem seguidores. Procuro apenas leitores sinceros e amadurecidos para questionar, de maneira sóbria e crítica, as crenças e os paradigmas hegemônicos e misteriosos das escrituras sagradas.

Comentários de "anônimos" não serão necessariamente postados. Procure sempre colocar seu nome no final de seus comentários (caso não tenha uma conta Google com o seu nome) para que seja garantido o seu direito democrático neste blog. Lembre-se: você é responsável direto pelo que escreve.

Mas difamações, ataques pessoais, trollagens, xingamentos, atitudes de intolerância, assim como comentários à serviço de militâncias políticas e religiosas não serão aceitos!

Se você não é um desses, esqueça este meu comentário porque a mensagem não é para você,



Whos

Você Pode Gostar Também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Minha lista de blogs

- See more at: http://www.ecleticus.com/2011/10/slide-que-funciona-automatico-no.html#sthash.w0HvNCS1.dpuf